sábado, 20 de fevereiro de 2016

Essa sensação, às vezes, de ser estrangeiro

"Esse jeito de ver além dos olhos, de ouvir além dos ouvidos, de sentir a textura do sentimento alheio, tão clara, no próprio coração. Essa sensação, às vezes, de ser estrangeiro e não saber falar o idioma local, de ser meio ET, uma espécie de sobrevivente de uma civilização extinta. Essa intensidade toda em tempo de ternura minguada. Esse amor tão vívido em terra em que a maioria parece se assustar mais com o afeto do que com a indelicadeza. Esse cuidado espontâneo com os outros. Essa vontade tão pura de que ninguém sofra por nada. Esse melindre de ferir por saber, com nitidez, como dói ser ferido. Ser sensível nesse mundo requer muita coragem. Muita. Todo dia."
Ana Jácomo

torna a sua vida bela.

"Quando Foucault foi estudar os gregos, ele descobriu esse dois poderes: o político, que vem da polis – a politea; e o oikonomos, que vem do oikos – a economia. Esses dois poderes! Ai o Foucault descobre um terceiro poder, que se chama enkrateia. O que é enkrateia? É uma das coisas mais bonitas que os gregos produziram. Os gregos, eles acham que nós, os homens, somos dotados de paixões muito fortes e essas paixões muito fortes podem comandar as nossas vidas. Por isso, o homem grego, ele deve administrar as suas paixões. Então, o homem grego tem que adquirir um terceiro poder: o poder sobre as suas paixões. Esse poder sobre as suas paixões chama-se enkrateia que é, para os gregos, a estética da existência. Todo aquele que tem o poder sobre as suas paixões torna a sua vida bela.

Claudio Ulpiano

Não sei a autoria

Visitando o fotolog,que por sinal sai do ar em poucas horas encontrei uma postagem com esse texto.
Na época não ligava para autoria e essas coisas,uma pena.Queria  dar crédito para essa autora e dizer que oito anos depois esse texto ainda me emociona.

"Ela acordara cedo. Um certo pensamento insistia em sua mente. Olha-se no espelho , seus cabelos ainda despenteado, seu rosto úmido de lágrimas mal secadas.Fitou-se e pensou: 'não há tempo para infelicidade'. Tomou um banho, pensou em ser melhor, naquele dia tinha que ser.Um novo dia a aguardava... ela tinha sapatos, lindos vestidos, perfumes tudo bem colocado. Se sentia pouco pra o mundo...e sempre dizia baixinho pra si: 'hoje eu vou conseguir'.Naquele dia colocou a mais bela roupa que tivera vesti-se de alegria e saiu pelo mesmo caminho.....pensando:' calma, tudo vai passar...o mundo está ao meu redor.'A menina sempre fora muito pensativa e caminhava a passos longos , não queria ser olhada e nem percebida pois havia dentro dela um sentimento a explodir.Em seus pensamentos a rotina pairava , acorda, banho, café, trabalho..livros ela tinha muitos livros...Ela não conseguia mais sonhar..seus sonhos eram muito grande ao mesmo tempo passageiros não havia tempo de realiza-los..Olhava ao mundo, todos... os dias uma historia , crianças brincando correndo alegremente em um vão e vem de meninices.....Velhinhos cantando , dançando, sorrindo manobrando suas vidas com intensidade de viver e ela na atormenta de seu pensar. Mais um dia se fora...sapatos , vestidos, perfumes tudo no mesmo lugar, ela pensativa em seu quarto pensava em não sair dele nunca..mais via um mundo inteiro a brilhar ao seu redor ela tinha que dá bola pra vida.. Uma oportunidade pra vida e pensara: 'a vida é muito... para ser desperdiçada..'E gritava em seu íntimo: calma, tudo vai passar."

Quem me visita aqui :D